barra-vela1.jpg

José Leandro de volta à Federação de Vela

leandroO antigo velejador José Leandro, quer voltar à presidência da Federação Portuguesa de Vela, após cinco anos afastado. Um numeroso grupo de velejadores, bastante conhecedor do projecto e do trabalho de José Leandro, enquanto presidente, na promoção e iniciação da vela, no desenvolvimento da vela de competição e na aprovação pelo Governo do novo Regulamento da Náutica de Recreio que a FPV propôs, quere-o de volta à presidência.
José Leandro, como dirigente, conhece bem a vela e os interesses à volta dela. Agora pretende que a federação seja independente e incorpore toda a vela, desde às escolas náuticas à alta competição. A sua candidatura é de recomeço, ou seja de continuidade, do que tinha iniciado em 2009. Internacionalmente, grande colaboração com a vela dos países de língua portuguesa e a preparação para os Jogos Olímpicos de Londres, que deu enormes conhecimentos técnicos, necessários para as participações futuras.
 
José Leandro orgulha-se “levámos a Londres oito classes e treze velejadores, o que nunca foi conseguido em tempo algum”.
 
O programa apresentado por José Leandro para as eleições de 14 de Outubro de 2021 proclama:
 
PARA UMA NOVA CULTURA DE VELA 
A equipa dirigente da FPV deverá ter como grande objetivo estratégico dar início a uma transformação cultural no seio do desporto da vela que passa por uma mudança de mentalidades
 
Para que isto seja possível, é preciso
1. Promover no país uma cultura que assuma o desporto da vela como um catalisador de fundamental importância na afirmação de uma identidade nacional com verdadeiras raízes na história dos portugueses. Temos de voltar às origens. À cultura do mar, às memórias da epopeia marítima que é a imagem de marca onde o desporto da vela deve estar ancorado. 
 
2. Para além dos progressos científicos e tecnológicos, a economia do mar, geradora de desenvolvimento e progresso do País, constrói-se a partir: 1º- Dos conteúdos dos programas escolares das diversas disciplinas; 2º- Do ensino e da prática da arte de velejar continuada ao longo da vida; 3º- Das virtualidades do alto rendimento e da honrosa participação nos Jogos Olímpicos.