barra surf

RIP CURL Peniche 2013 - Circuito de Surf e Bodyboard by PPSC

guilherme hpLogo de seguida as meias-finais de BB Open, com um show de tubos, manobras super arriscadas e scores muito elevados.

Na primeira meia-final Daniel Fonseca (1º com 17,67) e João Machado (2º com 15,83) dominam por completo a bateria, sendo que o primeiro teve a melhor com 9,50, a segunda melhor onda de 8,17 e ainda uma terceira de 7,00 pontos. João Machado teve a melhor onda de 9,33 e a segunda melhor de 6,5 pontos.
Na segunda meia-final, uma bateria que oporia os históricos Hugo Nunes (1º com 16,50), campeão nacional em 2004 e por duas vezes vice-campeão, Silvano Lourenço (2º com 11,33), que entre outros títulos foi campeão europeu em 2007, com os mais jovens Pedro Levi Silva (3º com 11,17) e Rodolfo Pinto em 4º. Pedro Levi fez a onda da bateria, um tubo incrível que lhe valeu 9,40. O vencedor fez dois scores elevados de 8,83 e 7,67.
Seguiram-se as meias-finais de SURF SUB 15, tendo os mais jovens demonstrado uma grande coragem para enfrentarem as super tubulares e potentes ondas dos Supertubos.
Na final e com ondas fabulosas, o jovem surfista do clube local, Duarte Baltazar foi o grande vencedor com um score combinado de 15,00 pontos, tendo obtido pontuações impressionantes de 8,00 na sua melhor onda e 7,00 na sua segunda melhor. Tiago Santos foi segundo classificado com 11,67,  João Galão e Francisco Simões foram 3º e 4º classificados, respetivamente.
Com esta vitória Duarte Baltazar sagrou-se o grande vencedor do circuito, tendo ganho as três etapas.
Duarte Baltazar disse no final que “O campeonato esteve muito bom. A organização fez um bom trabalho desde a primeira etapa, pois tentou sempre proporcionar as melhores ondas e este foi o campeonato com as melhores ondas. Estou muito feliz.”
No Surf Feminino Beatriz Almeida impôs-se à ainda muito jovem Rita Jorge, de apenas treze anos e sagrou-se a grande vencedora do circuito do Peniche Surf Clube. Rita Jorge acaba o circuito no seu ano de estreia em 3º lugar.
A vencedora afirmou que “foi um campeonato muito bom. Queria agradecer à organização e às ondas dos Supertubos, estiveram altas ondas nos dois dias, e à 58 pelo seu apoio.”
Regressando ao SURF Open, realizam-se as meias-finais.
O ambiente na praia está ao rubro. Os atletas reunidos à volta de um grelhador com alimentação oferecida pelo clube local, socializam e o comentário generalizado é “estão altas ondas. Isto está brutal”. Ouvem-se com frequência gritos de apoio aos atletas que estão a competir. Os tubos estão incríveis.
Logo na primeira bateria Edgar Nozes marca posição e com a garra característica deste surfista do top 16 nacional, faz duas ondas com pontuações de 7,50 e 7,00¸o que lhe garante um resto de bateria mais descontraído.
Outro atleta do top 16, João Kopke, não se conforma e vai à luta, os heats disputam-se até ao fim! Na sua terceira onda da bateria faz a melhor pontuação com um 7,93, e quando se pensava que a bateria estaria resolvida faz 7,23 na sua última onda, tendo ficado em primeiro com um combinado de 15,17. O bi campeão nacional de sub 16, Guilherme Fonseca tenta pressionar e embora com uma excelente onda de 7,70, após situação de interferência sobre o segundo classificado, não tem uma segunda onda, pelo que se ficou pelo terceiro lugar, com 9,27 no combinado. Luis Lucas não consegue encontrar as melhores ondas fica em quarto lugar.
A expectativa é grande para a segunda meia-final. Os altamente conhecedores da onda de supertubos e um rookie com muita coragem para enfrentar ondas muito pesadas. Diogo Gonçalves (1º com 8,08) e Nuno Silva (2º com 7,03) levam a melhor sobre Pedro Santos “Kid” (3º) e Vasco Narciso (4º).
Descansam os surfistas para a derradeira bateria
Tem início a final de BB OPEN, com alguns dos melhores bodyboarders nacionais. Neste lote extraordinário, há um Campeão Europeu, um Campeão Nacional Open e um Campeão Nacional de Esperanças em todas a categorias, pelo que a expectative é grande.
Hugo Nunes (1º) e João Machado (2º) fazem as honras da bateria, obtendo duas pontuações elevadas logo na primeira onda, com 9,00 pontos (melhor onda da final) e 8,00 pontos, respetivamente. O vencedor inda haveria de fazer mais dois scores elevados de 8,33 e 7,00 pontos. Silvano Lourenço consegue duas boas ondas de 6,77 e 6,50, garantindo desta forma o 3º lugar e a vitória no circuito do Peniche Surf Clube. Daniel Fonseca ficou em quarto lugar com dois scores de 7 e 5,50.
É chegado o momento da final de SURF OPEN.
Dois locais muito experientes nos Supertubos, contra dois surfistas do Top 16 nacional, um jovem de 18 anos versus a experiência dos outros atletas. Estavam reunidas as condições para mais uma final espetacular a par da final de BB que a antecedeu.
Mais uma vez Edgar Nozes marca o ritmo. Um tubo profundo numa das maiores ondas surfadas na final, valem-lhe o melhor score da final, um 9,10, no entanto fica-lhe a faltar uma boa segunda onda, acabando em terceiro lugar. João Kopke responde com um 6,83 e um 9,00, na segunda e terceira ondas e ainda faz mais uma onda de 6,67, mostrando que estava ali com um único objetivo, ganhar. Nuno Silva consegue duas boas ondas de 7,43 e 6,50, garantindo assim o segundo lugar.
Diogo Gonçalves, um dos maiores especialistas desta onda, não conseguiu encontrar as melhores ondas e com uma interferência ficou num excelente quarto lugar para um soul surfer.