Relatório ANP|WWF Tubarões e Raias em Portugal

tubaraoO relatório da ANP|WWF: "Tubarões e Raias - Guardiões do oceano em crise" dão conta que 43% das 117 espécies em Portugal estão ameaçadas.

Investigadores criam Energia a partir das ondas

ondasInvestigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) desenvolveram três dispositivos que, a partir do movimento das ondas, conseguem gerar energia elétrica e o objetivo passa agora por instalá-los em boias oceânicas.

Lagoa de Santo André abriu-se ao Mar

1 andreTodos os anos, a tempo de receber a Primavera, a lagoa de Santo André, tal como a vizinha de Melides e outras pelo país, é aberta ao mar. A operação, que decorreu na lagoa do concelho de Santiago do Cacém, destina-se a melhorar a qualidade da água e a renovar as espécies.

Primeiro “Guia de Peixes de Água Doce e Migradores de Portugal Continental”

livroO primeiro “Guia de Peixes de Água Doce e Migradores de Portugal Continental” coordenado por Maria João Collares-Pereira, professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa) e do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), publicado em 2021, já está à venda.

Relatório alerta para a perda de biodiversidade em água doce

peixinhosA WWF lançou esta semana o relatório “Peixes Esquecidos do Mundo”, que alerta para a enorme perda de biodiversidade de espécies de água doce. Em Portugal, as populações de sável, lampreia-marinha, salmão e enguia registam já uma diminuição acentuada.

Alterações climáticas: estudo do MARE-ISPA deteta mecanismos de adaptação na sardinha ibérica

2 sardinhaUma investigação conduzida pelo projeto SardiTemp, liderado pelo MARE-ISPA, demonstra que a sardinha ibérica tem potenciais vantagens na adaptação às alterações climáticas, mas ainda assim a subida da temperatura do mar pode levar a uma migração desta espécie para norte.

“Asfixia” dos oceanos causa impacto negativo nos organismos marinhos

agua fundoA redução de oxigénio nos oceanos é o fator com mais impacto negativo nos organismos marinhos. Esta é a principal conclusão de um estudo publicado na revista Nature Ecology and Evolution, liderado por membros do Laboratório Marítimo da Guia (LMG) do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), polo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa).

Investigadores dizem que polvos deslocam peixes com um "murro"

polvoUm grupo de investigadores do Laboratório Marítimo da Guia do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), polo da Ciências ULisboa e do Max Planck Institute of Animal Behavior relatam vários eventos de diferentes polvos (Octopus cyanea) deslocando peixes com um “soco” ou “murro”, isto é, um movimento explosivo e direto com um braço.

Investigadoras portuguesas na fronteira da exploração do mar profundo

anahilarioDepois de Marte, é, provavelmente, o mais enigmático local que a Humanidade não pisou: o mar profundo. Simbolicamente batizado de Challenger 150, em alusão ao ponto mais profundo do planeta (o Challenger Deep), um novo programa com cientistas de todo o mundo propõe trazer à superfície o conhecimento que ainda se esconde nas profundezas dos oceano.