barra-vela1.jpg

Extreme Sailing Series chega a Lisboa esta semana

sailportugal hpDe 6 a 9 de outubro, Lisboa recebe pela primeira vez as Extreme Sailing Series. A Doca de Pedrouços transforma-se na Race Village e recebe a elite mundial da vela para quatro dias de regatas e muita emoção.
Em 2016 o conceito de “Stadium Racing”, criado pelas Extreme Sailing Series, comemora o seu 10º aniversário, e é marcado pela estreia do catamarã GC32. Colocando algumas das melhores equipas profissionais de vela do mundo competindo em catamarãs com foils, os GC32, em percursos curtos mas extremamente táticos e próximos da costa, as Extreme Sailing Series proporcionam um espetáculo único ao público que assiste, colocando-o no centro da “batalha” e aumentando exponencialmente o ritmo na água.
A etapa de Lisboa está a cargo da SAIL Portugal, entidade portuguesa que tem uma equipa a competir pela primeira vez nas Extreme Sailing Series, a SAIL Portugal - Visit Madeira.
 
A equipa SAIL Portugal - Visit Madeira
Composta por Diogo Cayolla (Skipper/Leme), Frederico Mello (Trimmer da Vela Grande), Nuno Barreto (Trimmer da Genoa), Luís Brito (Proa) e João Matos Rosa (Floater) Diogo Cayolla é um dos mais conhecidos velejadores portugueses, tendo competido em três Jogos Olímpicos em três categorias (Star, 49er e Tornado), bem como na America’s Cup World Series. A tripulação conta também com o medalhado olímpico em Atlanta 1996, Nuno Barreto. O responsável da equipa de terra é Gil Conde e recentemente juntou-se à equipa como treinador João Rodrigues, o “português mais olímpico de sempre”, que conta com sete participações nos Jogos Olímpicos.
Os catamarãs GC32 são o ponto alto desta competição e são apoiados por outras atividades em terra na Race Village, que assegura um vasto leque de entretenimento para todas as idades. 
Trata-se de um espaço montado na Doca de Pedrouços que funciona das 11h00 às 19h00 e que acolhe várias áreas como o Mercado de Artesanato Local, espaços de restauração, área de ativação das marcas parceiras do evento, espaço com insufláveis para crianças, Media Centre, uma zona para o público assistir à prova e o Extreme Club, área Corporate, fechada ao público, para ativação de negócio das equipas e das marcas que as acompanham, e, por fim, os contentores-oficinas dos catamarãs GC32 (que transportam as embarcações desmontadas de uma etapa para a outra e que servem de apoio das equipas para cada etapa).
 
As regatas acontecem entre quinta-feira e domingo, das 14h30 e as 17h30. 
 
As equipas
Alinghi (Suíça), considerada uma das equipas mais experientes, compete pela sexta vez nas Series e tem como responsável da equipa de terra desde a sua formação o experiente velejador português João Cabeçadas. 
 
Land Rover BAR Academy (Grã-Bretanha), é uma nova aquisição no circuito deste ano. A equipa é composta por uma seleção de velejadores da Academia Land Rover BAR, que se revezam a bordo durante toda a temporada, o que lhes permite ganhar experiência através da prática, vital para o seu desenvolvimento como atletas.
 
Oman Air (Omã), equipa muito experiente que teve um começo auspicioso em 2016 ganhando mais de 50% das regatas do primeiro ato, um feito sem precedentes. Esta experiência, aliada às suas anteriores participações no circuito, torna-os um dos favoritos desta temporada. 
 
Red Bull Sailing Team (Áustria), que compete este ano pela sétima vez nas Series. A equipa é liderada por Roman Hagara e Hans-Peter Steinacher, ambos medalhados por duas vezes com ouro olímpico.
 
SAIL Portugal - Visit Madeira (Portugal), a primeira equipa portuguesa na história do circuito conta com vários velejadores olímpicos, com bastante experiência em regatas offshore e inshore.  
 
SAP Sailing Team Extreme (Dinamarca), ficou em 2º lugar em 2015 e tem como objetivo vencer as Series este ano. Engloba o talentoso velejador português Renato Conde que anteriormente era o responsável da equipa de terra da SAP Extreme Sailing Team, função que acumula este ano. 
 
A estas equipas juntam-se na etapa de Lisboa a equipa NORAUTO (França), comandada pelo Skipper Adam Minoprio, verdadeiro às do Kiwi match racing, e a equipa Vega Racing (USA), comandada pelo Skipper americano Brad Funk, com o português José Costa na equipa de terra, que confirmou também a sua participação no Ato de Lisboa, depois da estreia na etapa da Madeira, fazendo subir o número de equipas para nove no total.
A primeira equipa totalmente feminina de GC32, a Thalassa Magenta Racing (Canadá) em parceria com o Magenta Project, junta algumas das mais importantes e bem sucedidas atletas femininas do mundo da vela. Vai competir com seis velejadoras, um elemento a mais do que as equipas masculinas, que têm cinco velejadores, e terá aos comandos a skipper olímpica da Nova Zelândia Sharon Ferris-Choat. 
A equipa que vai participar na corrida será selecionada a partir de um line-up cheio de estrelas, onde se incluem as velejadoras oceânicas Dee Caffari (GBR), Elodie Mettraux (SUI) e Abby Ehler (GBR); as velejadoras olímpicas Sally Barkow (EUA), Annie Lush (GBR) e Gemma Jones (NZL); as medalhas de prata olímpicas Annemieke Bes (NED), Medalha de Prata do Mundo de Nacra 17 Hannah Diamond (GBR) e a Campeã Europeia e Mundial de 420 Annabel Vose (GBR). Conta ainda com a participação da velejadora portuguesa Marina Lobato.
 
FOTO: Henrique Seruca