barra-vela1.jpg

Mais uma chegada emocionante na 2ª Etapa da Volvo Ocean Race

chegada abu hpDesta vez foi o Team Brunel a sofrer até passar a linha de chegada da segunda etapa em Abu Dhabi, no passado dia 13 de Dezembro, para vencer com uns escassos 16 minutos os chineses doTeam Dongfeng, que repetiram a façanha da primeira etapa, a ” morder” a popa do barco vencedor.

O veleiro holandês Brunel, capitaneado por Bouwe Bekking foi o vencedor da segunda etapa de 5.200 milhas náuticas, numa permanente emoção, pois o seu adversário mais directo nesta etapa é já um perito em perseguição, o francês Charles Caudrelier, skipper do veleiro chinês Dongfeng, que nas últimas milhas esteve quase a passá-lo. Durante vários dias os chineses andaram na frente, mas o Brunel acabou por os passar.  
Já no fim, parecia tudo perdido para Bouwe Bekking, ao ver o barco chinês cada vez mais próximo e apenas a algumas centenas de metros de distância, quando aumentou uma ligeira pressão de vento nas velas e conseguiu a vitória.  
O vencedor da primeira etapa, Abu Dhabi Ocean Racing que vinha a cerca de 30 milhas dos chineses, foi o terceiro a passar a linha de chegada, duas horas e meia depois.
O veleiro espanhol Mapfre chegou um dia depois, seguidos pelos americanos do Team Alvimedica que passaram a linha de chegada ao fim de 10 horas.
O último veleiro foi novamente o sueco SCA, com a tripulação feminina comandada pela inglesa San Davies, que chegou a Abu Dhabi dois dias depois dos primeiros.brunel abu
A etapa da Cidade do Cabo a Abu Dhabi ficou marcada pelo encalhe, na noite de 29 de Novembro, num recife duma pequena ilha desabitada do arquipélago das Maurícias, do veleiro dinamarquês Vestas Wind, liderado pelo australiano Chris Nicholson, um dos mais experientes skippers em prova. Agora sabe-se que a ilha afinal estava assinalada na carta electrónica do computador de bordo, embora fosse necessário fazer um zoom grande para a encontrar. A razão do acidente foi porque à última hora Chris Nicholson alterou o rumo e o navegador não chegou a conferir atentamente por onde o veleiro eventualmente iria passar.  Aconteceu de noite e houve imprudência, pois a navegarem com profundidades de apenas 40 metros, alguma coisa poderia aparecer pela frente.
Como o patrocinador Vestas quer continuar em prova, vai ser construído um novo barco para participar a partir da 4ª etapa que começa em Sanya na China.
No final Bouwe Bekking declarou: "É uma sensação boa. Eu sempre disse que é melhor ter sorte do que ser bom, mas temos andado muito bem nesta etapa e por isso é tão bom ganhar, pois poderia ter sido uma etapa fácil e depois terminarmos em último. É realmente muito bom para obter a pontuação. A equipa fez um trabalho fantástico, pois conseguimos que o barco navegasse muito melhor do que na primeira etapa. "
O francês Charles Caudrelier não conseguia esconder a sua decepção no fim: "Brunel tem sido muito mais rápido do que nós, desde alguns dias e não sabemos porquê. Estamos um pouco desapontados porque fizemos um bom trabalho para passá-los, mas eles continuam passando por nós. Você tem que fazer tudo bem, mas você também tem que ser rápido. Se você não for rápido, é difícil ganhar uma etapa.